Há a viagem. A partida que te leva a todo o lado e a lado nenhum. A descoberta do toque e da emoção. Às vezes a vontade de viver. Consciência e sonho que se misturam e a fragilidade. O direito à imperfeição é o que faz de nós humanos. Mas depois há os pontos cardeais que mudam o caminho e que afastam a audácia. Há as palavras lidas que aumentam a esperança mas o silêncio continua. Ilusão, de certeza. As linhas da sobrevivência maquilham a alma e afastam o corpo do que já foi.
Foi. Já não é.